Casamento de boteco da Fabiola e do David

casamento de boteco

E agora, já pode beijar a noiva ♥

Casamento de boteco: qual a história?

A Fabiola e o David são uns que-ri-dos que já são um case de sucesso no mundo do casamento, mesmo antes de qualquer oficialização. Estão juntos há (nada mais, nada menos que) 11 anos, e juntaram as escovas de dentes há 9. Eles são do Rio, tinham a casinha deles toda fofa, e um cão todo danado, e quando o David foi transferido pra São Paulo, lá foram os dois juntos com cão e tudo, montaram outra casinha linda lá na terra da garoa. Agora, de volta ao Rio, outra casa linda. Esses dois já deram certo, definitivamente. O grande lance da vida deles é viajar e além disso querem comprar um apartamento. Então não acharam muito justo investir muita grana numa festa de casamento e deixar suas prioridades de lado por causa disso. Decidiram então casar no civil e no dia seguinte encontrar os amigos num boteco (boteco mesmo) em Santa Teresa, um bairro boêmio e descolado do Rio de Janeiro. O texto que a Fabiola escreveu contado a história está tão legal, que eu decidi que só vou mesmo fazer esta introdução e deixar o resto com as palavras da noiva. Espero que se divirtam com o relato e possam se inspirar em mais essa história de amor bem comemorado ♥

A decisão

“Depois de mais de 11 anos de namoro, quem diria, resolvemos que já estava mais do que na hora de casar. Na verdade, já morávamos juntos há 9 anos quando resolvemos oficializar a bagunça! hehe Essa coisa de “amigado com fé, casado é” nunca funcionou comigo, e o David, pelo menos pra mim, continuava sendo namorado ao invés de marido. Eu sempre pensei que, pra gente se casar “de verdade” deveria haver alguma coisa marcante, nem que fosse ir pro bar beber com os amigos.

Nós já estávamos com uma viagem marcada para Nova York há quase um ano, e quando faltavam 2 meses pra viagem, comentei com o David: “Acabamos de completar 11 anos de namoro, e isso não pode continuar assim! O limite eram 10 anos e você já conseguiu me enrolar por mais tempo do que eu gostaria! Vamos aproveitar essa viagem e vou comprar meu vestido de noiva, e na volta nos casamos, ok?”. Quem conhece o David, sabe que ele é super tranquilo e leva tudo numa boa. Ele deve ter achado que era mais uma abobrinha saindo da minha boca, e só acreditou quando reservei 1 dia inteiro em NY para procurar o tal vestido… rs – e achei!

E foi assim

O casamento foi super simples, no Cartório Civil. De lá fomos almoçar com alguns amigos e só. A comemoração foi no dia seguinte, no sábado. A ideia central foi comemorar com os amigos num ambiente muito natural para todo carioca: o boteco. Só que nós não queríamos nada que fosse “montado” ou que simplesmente “remetesse” ao ambiente do bar. Por isso resolvemos que a comemoração seria, de fato, num típico boteco em Santa Teresa.

Amigos curtindo o sábado no casamento de boteco.

Somos o tipo de casal que ama viajar dentro e fora do Brasil, e desbravar o mundo. Nosso maior luxo é esse: viajar para conhecer o maior número possível de cidades, países e culturas diferentes. Nós também queremos comprar um apartamento. Sendo assim, como nós não somos ricos e não queríamos de jeito nenhum nos afundar em dívidas para bancar uma festa de casamento, resolvemos que também não queríamos uma festa meia-boca. Era tudo ou nada, então optamos pelo nada!

Os amigos entraram nessa ;)

A nossa ideia de comemoração era simples: sem afetação, sem gastação, com muito amor, muita cerveja. Não sei exatamente quanto gastamos no total, mas vou chutar uns 5 mil: meu vestido, a roupa do David, o chopp no dia, registro do site, cartório e fotógrafa. O único serviço contratado foi o de fotografia. O resto ganhamos de presente dos amigos:

– os bem casados (deliciosos, por sinal) foram presente da minha amiga Livia;

– os buquês foram presentes da minha querida amiga Daniella e sua mãe, Sandra;

Olha o buquê!

o registro do site ficou a cargo da Carol;

– cabelo e maquiagem foram feitos pela minha amiga Rachel;

– a Tatiane me ajudou a escolher o vestido de noiva.

– até os convites – impressos em genuínas bolachas de chopp – foram feitos por mim, que sou designer gráfica!

Não aluguei carro (peguei um taxi comum), não contratei vídeo (ninguém vê vídeo e ele fica esquecido lá no canto da casa, coitado), não teve cerimonialista… enfim, foi uma proposta beeem fora do que se espera de um casamento convencional.

Preparativos

Não houve grandes preparativos, a não ser ligar pro boteco e pedir para reforçar o estoque de chopp para aquele sábado! rs As outras coisas foram resolvidas por mim e pelo David. As pessoas que nos ajudaram ofereceram os serviços como presente de casamento, por amizade. Até os buquês foram livremente produzidos pela Dani e a tia Sandra (somos amigas há mais de 20 anos, por isso chamo a mãe da Dani de tia: resquícios da nossa infância… rs). Só dei o último toque, no momento de escolher qual a fita combinaria mais com meu vestido.<

Reflexões do casal

[Perguntei à Fabiola se tinha valido à pena, se eles tinham gostado] Nossa, valeu MUITO a pena! Eu faria novamente! E sinceramente, dá até pra fazer todo ano e comemorar as bodas… pensa que lindo: ao invés de passar anos pagando por uma festa que dura somente algumas horas, você celebra cada ano passado junto com o seu amor!

Penso que as festas de casamento são lindas e emocionantes, mas as pessoas se esforçam tanto para pagá-las, se estressam e algumas se endividam, mas o final as festas acabam ficando todas um pouco parecidas. A nossa comemoração foi diferente, não só por não querermos gastar rios de dinheiro, mas porque a situação foi extrema: de fato, um casamento no bar, com amigos novos, amigos antigos, todos ali com uma única missão: testemunhas do nosso amor (sorriso). 

Como nossa comemoração tinha um clima relax, não era necessário o dress code.

Teve gente arrumada, de terno e gravata e vestido longo; e teve gente de camiseta, bermuda e chinelo. Como nós não tínhamos restrição de bufê, não precisamos ter que “escolher” quem seria convidado e quem ficaria de fora do nosso evento (o que eu acho muito deselegante). Desta maneira, não tivemos retrição para convidar.

[Perguntei à Fabiola se tinham se arrependido de alguma coisa] O casamento no cartório civil. No dia tínhamos nós dois e mais 16 casais, além das famílias de todos. O cartório virou um confusão, no dia fazia muito calor e o espaço não acomodou todo mundo. Se eu pudesse mudar alguma coisa no meu casamento, seria esta: teria pago a taxa extra que leva o juiz de paz ao mesmo local do casamento de boteco, no sábado.

Ahh! Só pra finalizar: cheguei no meu casamento com um vestido lindo comprado em NY e de chinelo Havaiana… afinal, era um casamento no boteco!
Veja mais fotos do casamento de boteco da Fabiola e do David ♥

 

Convite: Fabiola Greco | Local: Armazém São Thiago | Fotografia: Nathalia DaVinha | Bouquet: Daniella e Sandra Tavares (sandrata61@hotmail.com) | Bem-casados: M. Vianna Brownies | Vestido: Sue Wong (NY) | Roupa do noivo: Noir, Le Lis