Casamento é pra mim? (ou A minha crônica de 10 anos de casada)

Até hoje me pergunto se casamento é pra mim. Você já se perguntou se casamento é pra você?

418157_331854420183501_1779318641_n

Sou a Luisa, uma das sócias fundadoras do Casar é um Barato. Há 4 anos trabalho com o mundo de casamentos 24h por dia, 7 dias da semana. Mas tem uma coisa que talvez você não saiba: eu nunca me casei. Hoje faço 10 anos de (não)casada, hoje comemoramos 10 anos de casa. Caramba, já tem 10 anos que vivemos juntos, que dividimos as contas, que planejamos sonhos, que batalhamos para continuar na batalha dura da rotina. 10 anos incríveis, com bagunça, festas, amigos, viagens, com um filho lindo, com pizza, decisões difíceis, sábados na feira, acordos e desacordos. Como todo casamento. Mas eu nunca me casei.

Desde menina eu me perguntava “Casamento é pra mim?”. Meus pais nunca se casaram. Foram felizes por quase uma década, depois se separaram. E daí? Ser casado nunca foi pra mim um exemplo de felicidade. Que ironia, né? Como eu poderia sonhar que um dia o meu sustento viria de casamentos, que ia ajudar tantas pessoas a realizarem esse sonho, mesmo sem nunca ter sido um sonho meu.

Casamento é pra mim? Achava que não porque tive desilusões amorosas jovem. Quem não teve? Sou canceriana, essas coisas pioram pra mim. Eu me apaixonava muito por um, por dois, por três meninos da escola ao mesmo tempo. Tudo era intenso e nunca acontecia nada. Apenas muito sentimento… que me levou a crer que melhor era não casar mesmo. Casamento é pra mim? Não era, até que conheci o Lauro. E desde o primeiro dia em que estivemos juntos ele fez carinho no meu braço com o polegar, ele disse coisas tão engraçadas que eu ria até doer, ele apertou os olhos pra me focar melhor. E aí, em 2002, casamento virou uma coisa pra mim.

Cadê o pedido?

Em janeiro de 2006 estávamos em Paris. Fizemos uma dessas viagens de jovens sem dinheiro com mochila nas costas e muita animação. Era um fim de tarde lindo numa ponte sobre o Rio Sena. Fazia muito frio e atravessávamos a ponte em silêncio, um do lado do outro apreciando a paisagem. Andamos tão lentamente que o tempo pareceu parar.

o dia em que nao fui pedida em casamento

O dia em que NÃO FUI pedida em casamento.

Meu coração começou a bater forte e eu não parava de pensar que era ali, que era agora, que eu ia ser pedida em casamento!

Chegamos ao final da ponte. Lauro seguiu andando lentamente pela calçada que continuava e eu parei, em pé, em cima da ponte. Ele olhou pra mim e disse: “você não tava achando que eu ia te pedir em casamento aí em cima dessa ponte, tava?” Fiquei #xatiada sim. Se ele perguntou é porque ele também estava achando que ia me pedir em casamento naquela ponte. Mas esse não seria meu grande amor, e esta não seria eu. Porque, gente, casamento na verdade não é pra mim.

Não teve pedido. Nem em Paris, nem nunca mais. Mas no ano seguinte compramos um apartamento. No dia 17 de fevereiro de 2007 nos mudamos para cá. Era um sábado de Carnaval e eu saí na rua com um arco de cabelo com um véuzinho branco bem pequeno. Ninguém reparou, mas era o dia do meu casamento.

Casados = Aqueles que dividem a casa.

Em 2012 nasceu o José, coisa mais preciosa da nossa vida. Menino que coroa nossa união e para sempre nos fará ser juntos.

Hoje, 10 anos depois, eu escrevo pra vocês essa crônica da minha primeira década casada sentada no mesmo quarto da nossa mesma casa onde tudo começou.

Bodas de quê mesmo?

Bodas de Estanho ou de Zinco. DEZ ANOS, MINHA GENTE!! É muita coisa!! :)

Aí pesquisei e achei isso fantástico:

“Quanto maior for o número de anos de casamento, mais valiosos e resistentes são os materiais a eles atribuídos. (…)

O estanho é um metal que pode ser facilmente maleável, característica esta que é associada ao estado em que se encontra o casal no seu décimo ano juntos: maleáveis e receptíveis aos desentendimentos cotidianos ou as particularidades “menos fáceis” da personalidade de cada um.

O zinco, por sua vez, também é conhecido por servir de proteção contra a ferrugem de alguns materiais, como o ferro e o aço, por exemplo.

Em comparação com o matrimônio, esta é uma característica dos casais que, neste período da vida a dois, já desenvolveram uma barreira contra os pontos negativos e que interferem a construção de uma boa relação no casamento.”

Resumo

Casamento é pra você? Eu não tive festa de casamento, nem nunca assinei um papel. Não mudei meu estado civil (inclusive entro na estatística da mãe solteira, pois na hora de dar entrada na maternidade eles perguntam estado civil e comprovam no documento – solteira). Não mudei de nome. Mas te conto como me sinto hoje: sou a mulher mais feliz do mundo por ser casada há 10 anos com um cara tão fantástico, tão bacana, tão engraçado, tão companheiro e tão… meu marido.

Lauro, eu te amo hoje e sempre. Obrigada por andar comigo nessa estrada e por não ter me pedido em casamento naquela ponte. Porque o casamento é pra gente sim, mas aqui dentro de casa, no dia a dia e dentro dos nossos corações.

via GIPHY