Casamento real DIY da Pri e do Doug

Recebemos mais um daqueles e-mails que nos emocionam e nos deixam muito felizes! A Pri nos escreveu dizendo que nossas referências fizeram toda a diferença em seu casamento real DIY. Quando vimos as fotos, quase caímos para trás de emoção: tudo lindo, único e delicado. A Pri e o Doug se casaram no maior estilo boho, ao ar livre. Bem naquele clima que amamos! Com tudo feito à mão, com a família participando, com detalhes únicos. Uma noiva feliz e empolgada, um noivo companheiro e uma família linda. Isso é tudo o que um casamento real DIY precisa para ser perfeito!

 

“Olá pessoal do CEUB! Eu e meu marido passamos um ano buscando referências no Casar é um Barato, nada mais justo do que compartilhar o resultado, que ficou incrível! Para começar, devo dizer que gastamos R$30 mil. Incluindo meu vestido, a roupa do meu marido que foi feita no alfaiate e os presentes que demos com os convites aos padrinhos/madrinhas. Das meninas, especialmente, custou mais caro, pois dei uma Vale-Melissa a cada uma delas. Queria todas de Melissa no grande dia! Levando em conta tudo isso, achei 30 mil um valor beeeem razoável e tivemos tudo que tínhamos direito na festa: foto, filmagem, cabine fotográfica, DJ, cantores ao vivo – voz e violão – na cerimônia, buffet de crepe francês, bar de caipirinhas, doces finos, naked cake e muuuitos muuuitos detalhes. E é justamente deles que quero contar pra vocês.

 

Foram os detalhes que fizeram toda a diferença no meu casamento real DIY. Não só na beleza do dia, mas no orçamento, pois foi tudo feito por nós e pelos nossos familiares. Foi totalmente DIY. Como disse, tivemos um ano para planejar. Marcamos o casamento em 12/03/15 e casamos em 12/03/16 – quando completamos 3 anos juntos. Desde o começo, nos inspiramos nos casamentos americanos ao ar livre, inclusive nossos padrinhos e madrinhas não foram casais. E convidamos um primo muito querido para celebrar a cerimônia! Fomos em busca de referências. E as referências não paravam de surgir e eram todas LINDAS! Queríamos tudo e conseguimos fazer (quase) tudo. Até o dia anterior, ainda estávamos atrás de um último detalhe: bolas gigantes de látex para encher com gás hélio. Custou, mas achamos!

 

Mas, vamos voltar lááá atrás, quando colocamos todo mundo para trabalhar. Eu, logo de cara, assumi um desafio: aprender a fazer tsurus para enfeitar o salão. Com ajuda do Youtube, aprendi e fiz mil tsurus, como manda a tradição oriental! Minha tia assumiu a responsabilidade de fazer os sousplats de crochê com juta. Meu pai foi atrás de tronco grosso de árvore para fazer os pratos de bolo e doce. Deixou secando até a semana do casamento, depois, com a ajuda de seus amigos da Corporação (ele é bombeiro), serrou o tronco, envernizou, pregou e os transformou em lindos suportes de bolo e doce.

 

Juntamos vidros de molho de tomate e palmito e, mais uma vez com a ajuda da internet, aprendemos a foscá-los e os transformamos em vasos de mesa. Para acompanhar o tapete de cerimônia de juta, fizemos vasos baixos com latas de leite em pó. Encontrei em um desses grupos de doação do Facebook, uma mulher doando 50 latas. Busquei e meus pais as limparam e as enfeitaram. Minha irmã ficou responsável por montar o Espaço Kids, ou seja, um cantinho para as crianças com livros de colorir massinha e comidinhas de criança. Até repelente caseiro fizemos para os nossos convidados se protegerem dos insetos!

 

Minha avó me deu um baú antigo do meu bisavô, que meu pai reformou e colocamos os bem-casados. Minha tia-avó deu uma escada antiga, que meu pai pintou e usamos como um adereço ao lado da mesa do bolo.  Teve também a mãe de uma das minhas madrinhas, melhor amiga, que fez os anéis de guardanapo com juta e anis estrelado. Ela rodou a 25 de março todinha e encontrou letrinhas com nossas iniciais para acompanhar. O porta-alianças também foi feito por ela!

 

Minha mãe foi, literalmente, minha assessora. Encontrou fornecedores incríveis e com preços ótimos. A começar pelo local: Chácara Machadinho – A Toca da Coruja. Além de um espaço verde lindo para a cerimônia, a casa é linda, toda rústica e vintage. Negociamos para passar o final de semana lá, porque, assim como nos casamentos americanos, queríamos estar no local desde sexta-feira arrumando tudo, dando o nosso toque. Aqui preciso dizer: minha família foi absolutamente incrível! Entendeu o espírito “da coisa”, arregaçou as mangas e deixou nosso casamento real DIY perfeito, trasbordando amor, porque foi feito com amor!

 

Como o local era no interior, quis fazer um welcome-coffee antes da cerimônia, para que os convidados chegassem e já fizessem um “lanchinho”. Aí entrou a ajuda da minha avó, que fez todos os salgadinhos para esse welcome-coffee. Falando nisso, todos os doces finos, minha mãe que fez! Ah, lembrei agora que minha avó também costurou todas as capas para os fenos da cerimônia. Sim, os bancos foram substituídos por fenos. Como o calor que fazia na época dos preparativos, eu e meu marido decidimos fazer leques para os convidados. Então, com papel cartão Kraft e palito de fizemos. Mas, ainda não era suficiente, faltava algo… Buscamos 90 frases diferentes (pois eram 90 leques) de músicas, séries, livros e filmes favoritos nossos, que tinham a ver com amor e com o momento, para estampar cada um deles. Fizemos adesivos transparente e colamos. Foi sucesso, o pessoal adorou os leques!

 

Falando em papel kraft, toda a papelaria do casamento (incluindo convites e menus) foi meu marido que fez. Ele produziu a arte, cortamos na guilhotina do meu tio e imprimimos na impressora do meu pai. Mais economia, porque papelaria é caro! Até as lousas nós fizemos. Não queria nada pronto. Compramos chapas grande de Eucatex e meu pai com meu marido cortaram em diversos tamanho e pintaram de preto. Ficaram lindas.

 

Toda a decoração ficou por conta da minha mãe, mas ela precisava também respirar e se cuidar no dia. Contratamos uma florista ótima que topou fazer os arranjos de flores para a cerimônia/festa, buquê, lapelas e ajeitar todas as ideias da minha mãe nos seus devidos lugares. Minha mãe conseguiu também um buffet de crepes que foi super maleável, deixou que nós mesmos comprássemos os ingredientes. Ele foi para o local na sexta com a gente, e deixou tudo prontinho para preparar o jantar no sábado.

 

Não posso deixar de comentar o Buffet MAIS DO QUE ESPECIAL que fez o serviço de coquetel de entrada: O Instituto Chefs Especiais, uma organização que dá aulas gratuitamente às pessoas com Síndrome de Down, promovendo a inclusão, capacitação e autonomia desses Chefs Especiais. Minha irmã, que aliás foi minha primeira madrinha e cumpriu com muito louvor seu papel, faz parte desse grupo, frequenta as aulas, AMA e nunca pagamos nada por isso. Então, como eu sabia que eles realizavam alguns eventos a fim de arrecadar fundos pra Instituição, conversamos com eles se havia interesse em realizar esse trabalho. Embora não tivessem feito nenhum casamento, eles toparam e foi MARAVILHOSO. O serviço, a presença, a energia. Tudo. A participação deles contribuiu demais para meu casamento real DIY!

 

Honestamente, esse dia foi muito mais bonito do que eu sonhava/planejava/desejava… Foi incrível! Obrigada ao Casar é um Barato pelas referências, histórias e ideias que postaram aqui. Elas fizeram toda a diferença para o meu casamento real DIY!

 

Vocês podem assistir ao vídeo do meu casamento aqui:

 

 

Mais Casamento Real DIY para você:

O casamento barato da Natally e do Filipe

O casamento ao ar livre da Day e do Cesar

O casamento dos sonhos da Marry e do Ricardo