CASO REAL: Casamento da Joanne e do Bruno

Semana passada nós postamos um link sobre penteados para noivas de cabelinhos curtos. Pois bem, estava eu respondendo comentários super fofos quando me deparei com a Joanne. Ela nos mandou uma foto por inbox e me apaixonei loucamente pelo penteado, pelo buquê, pelo casquete, fiquei doida e pedi: Joanne, quer postar seu casamento no nosso blog? E ela disse que siiim! Quando as fotos chegaram eu quase caí pra trás de tanta lindeza. Não era só o penteado e o buquê, era tudo! A história, o bolo (o topo de bolo, minha gente, o topo do bolooo), o noivo, o sapatinho, absolutamente TU-DO com a cara dos noivos. Seria uma crueldade não dividir isso tudo com as nossas leitoras. Então vem comigo se derreter que nem manteiga com esse casório lindo!

Um brinde à felicidade


 

De quando começamos a namorar até os dias de hoje já são 11 anos.

Somos de Itabuna, interior da Bahia. Começamos a namorar em 2003. No início de 2004, ele resolveu morar em Salvador para fazer uma especialização. Namoramos à distância por quase um ano e meio e quando me formei fui para Salvador também. Moramos juntos por 7 anos e, em 2012, resolvemos oficializar nossa união. Esse período em que moramos juntos foi muito importante antes de decidir casar mesmo com todos os proclamas e cerimônia, pois foi um período de conhecimento, onde passamos a conhecer as manias do outro e aprender a lidar com cada uma delas. Mesmo com nossas diferenças, resolvemos casar de “papel passado”.

Primeiro fizemos o casamento civil (19/11/12) e a cerimônia foi em 24/11 do mesmo ano, em Itabuna, nossa cidade natal. Nosso casamento foi intimista e pela manhã. A responsável pelo buffet foi ótima, nos deu muitas dicas que ajudaram a economizar. Fizemos a cerimônia e a festa no mesmo local, sempre pensando no bem estar dos convidados e em economizar. A cerimônia foi realizada pelo responsável do centro espírita que freqüentávamos em Itabuna, pois esta a nossa religião.

O casamento foi todo feito com a nossa cara, escolhemos tudo pensando em nós dois.  A começar pelo convite: o tema foi gamer e usamos o PacMan! Fiz muitas pesquisas para adquirir produtos, como os leques por exemplo, queríamos que fossem de qualidade e barato. Eu mesma cuidei de fazer um envelope com lenços para os mais chorosos, o famoso “Para suas lágrimas de alegria”. Nunca fui muito de trabalhos manuais, mas encarei essa e deu tudo certo.

Convite 2

Fui uma noiva bem calma, sem neuras e atribuo isso aos planos “Bs” que preparamos para o caso de imprevistos que, é claro, nunca deixam de aparecer nas festas. Pra começar, o músico que ia tocar violão durante a cerimônia ligou avisando que não poderia ir. Detalhe é que faltavam apenas duas semanas para o grande dia. Mas eis que o plano B entrou em ação e não precisei arrancar um fio de cabelo sequer. Bruno salvou todas as músicas em boa qualidade e passou para o DJ que iria tocar na festa. Com isso, toda a cerimônia foi feita com DJ. E digo uma coisa, não ficou feio e as músicas foram tocadas em sua forma “original”.

O segundo problema foi o meu vestido. A costureira ajustou além do que foi marcado. Mas ajustou tanto que o vestido não fechava. Ah, isso foi no final da tarde da véspera do casamento e minha mãe já estava se descabelando e brigando comigo porque eu dava risada do desespero dela. Mas, pra minha sorte, eu tinha comprado um vestido curto, todo de renda para a festa que serviria perfeitamente, já que está super na moda curto para casar de manhã. No fim das contas acabou nem sendo necessário. Eu e minha mãe ligamos para a costureira e, como ela tinha deixado sobras de pano, foi possível colocar na minha medida. No dia, lá estava eu com o vestido que tinha escolhido.

O vestido que quase não fecha

Ah, mas não parou por aí. Teve o caso do bolo. Para esse não tínhamos planos nenhum. O casamento estava marcado para 10h da manhã de um sábado. Na véspera, às 23h, liguei para quem ia fazer o bolo só para dar um recado e descobri que ele pensava que o casamento seria às 10h DA NOITE! (Minha nossa senhora do buquê de noiva, eu ia cair pra trás se isso acontece comigo!!) Aí sim suei frio… Conversei, falei que era de manhã e não deixei de perguntar se ele estava doido, rs. Acabou que o recheio ficou diferente, mas só percebi quando voltei da lua-de-mel, que foi quando lembrei do bolo.

O bolo ficou igualzinho ao que eu tinha escolhido, menos o recheio rsrsrsrs

Mesmo com esses problemas, tudo saiu do jeito que queríamos: casei de sapatilha vermelha e Bruno de AllStar. Ficamos muito confortáveis e cheios de estilo. O topo de bolo foi por causa do noivo gamer: Super Mário e Princesa Peach, na frente do castelo.  A música de entrada do noivo foi o tema do Super Mário World em ritmo de jazz. Os padrinhos entraram ao som da música tema de Toy Story, versão em português “Amigo estou aqui”.  “All you need is love”, dos Beatles, embalou a entrada do porta-aliança, que era o sobrinho e afilhado do noivo. As alianças foram colocadas num cogumelo de “Vida” do Super Mário. A troca de alianças contou com uma música de um filme que gostamos muito: Once, When Your Mind’s Made Up, de Glen Hansard. A entrada da florista e a minha entrada foi conduzida ao ritmo de Céu de Santo Amaro, de Flávio Venturini e, por fim, a saída foi conduzida pela música All my Loving, dos Beatles.

Sapatinhos dos noivos

Meu lindíssimo noivo preparou uma surpresa linda pra mim: Ele escreveu os votos. Foi lindo, muito emocionante. De jeito nenhum que esperava aquilo, ainda mais pela correria que foi a festa. Foi uma surpresa maravilhosa e muito emocionante.

A Decoração ficou como eu tinha escolhido. Flores diversificadas e coloridas para não ter o problema de escolher um tipo de flor e quando chegar à época não encontrar. As mesas de doces ficaram lindas. Usamos também cristaleiras para colocamos os tradicionais bem casados, que foram as lembranças para os convidados. Servimos entrada e almoço, foi uma delícia. A festa também saiu do jeitinho que planejamos! Teve máquina de bola de sabão, uma cortesia da empresa que contratamos para servir os drinks e isso deu um charme a mais na festa. A dança dos noivos foi ao som da música Anjo Tentador, um xote da banda Bicho de Pé.

Decoração casamento Joanne e Bruno 1

Ah, e o buquê! Esse aí eu escolhi beeeem colorido e diversificado. Não joguei, resolvi dar para uma grande amiga minha. Mas não parou por aí: pensam que as solteiras ficaram a ver navios? Não! Eu tinha mais um buquê para jogar e um pinguim do amor. De acordo com uma lenda, o pinguim macho enfrenta vários obstáculos para encontrar seu grande amor. Quando o encontra faz uma dança, procura a pedra mais perfeita e coloca aos pés da fêmea. Se ela aceitar esse presente eles ficaram juntos pela vida toda. O pinguim vinha com uma tag com o seguinte texto:

Eu quero um amor de pinguim

“Um amor que dure a vida toda. Um amor puro e verdadeiro. Um amor que frutifique. Eu quero um amor de pinguim. Um amor de fidelidade e lealdade. Um amor que ultrapasse as tempestades, as intempéries, as distâncias. Um amor que ano após ano retorne para me encontrar no mesmo lugar. Que seja diferente todos os dias e que reforce dia após dia suas convicções. Eu quero um amor de pinguim. Um amor que apesar de toda dificuldade, sempre retorna para o ser amado. Um amor simples e sem grandes pretensões mas que é grandioso apenas por ser amor. Eu quero um amor de pinguim.

Um amor que colabora, que insipira, que encoraja. Um amor que divide, que soma, que jamais subtrai. Um amor que não foge das dificuldades, mas que as enfrenta junto ao ser amado. Eu quero um amor de pinguim. Um amor que em dias frios seja capaz de aquecer meus pés que em dias quentes consiga refrescar minha alma que nos dias amenos coloque vida em minha vida. Eu quero um amor de pinguim. Um amor eterno. Um amor imenso. Um amor assim, feito um amor de pinguim…”  ( Autor desconhecido)

O pinguim do amor

Dançamos, bebemos, rimos, reencontramos parentes e amigos, fortalecemos nossos laços de união e já estamos prestes a completar dois anos de casados. Isso se só contarmos a parte oficial, né?


 

E ela mandou mais fotos lindas! Vem ver, gente!!