Você é Mãe ou Empreendedora? Eu sou as duas coisas.

Uma rotina

Um cliente quer fazer um call pra tirar algumas dúvidas.
– Podemos marcar às 16:30?
– Pra mim fica melhor se marcarmos mais cedo, porque às 17h em ponto preciso sair pra buscar meu filho na escola.

Esta é uma cena que se repete na minha vida. Alguns diriam que é falta de comprometimento com o trabalho, que precisamos sempre priorizar o cliente. Eu penso diferente: sou empreendedora sim, mas acima de tudo sou mãe. Sou mãe empreendedora.

Talvez essa seja também a sua história, pois segundo dados do SEBRAE, em 2013 já éramos mais de 7,3 milhões de mulheres empreendedoras (das quais 5 milhões são mães). Veja alguns dados super interessantes sobre as mulheres empreendedoras no Brasil:

Captura de tela 2016-06-09 21.31.15

Infográfico

Para ter acesso ao infográfico completo que preparamos, basta preencher o formulário abaixo. É Grátis :)

A História do Casar é um Barato

Compartilho hoje com vocês a história do Casar é um Barato. Eu (Luisa) e Mariana somos amigas desde 2002. Estudamos na mesma faculdade, nossos maridos também são muito amigos desde a faculdade, e acredito que tenhamos uma maioria de amigos em comum, portanto vivemos esses tantos anos muito em contato: aniversários, carnavais, viagens de fim de ano, festinhas de fim de semana, cinema, encontros de amigas 1x por semana. Mas sempre tivemos vida profissional completamente diferente da outra.

Eu conheci a Mari na faculdade de Design, mas depois de formada não segui a profissão e escolhi outra carreira. Fiz uma segunda faculdade – Letras. Fiz mestrado em Literatura. Dei aula de português pra estrangeiros, dei aula de espanhol em escolas, escrevi conteúdo pras mais diversas áreas, fiz revisão de texto, fiz tradução, fui gerente de projetos educacionais numa fundação. Apesar dos bicos, já tinha anos que eu era CLT. E curtia muito essa segurança.

Mari seguiu como Designer e desde o começo o pulso do empreendedorismo bateu forte dentro dela. Fez Iniciativa Jovem, fez cursos de empreendedorismo. Planejou e montou exposições. Com o marido, abriu uma empresa de desing gráfico e web (a Lunário, que teve o CNPJ abraçado pelo Casar é um Barato). Ele recebeu uma proposta para ser CLT em uma grande empresa e lá foi. Mari tocou a Lunário sozinha, com um estagiário. Com outra amiga, tentou começar um negócio de design de móveis, pesquisou muito, projetou, orçou e produziu um mostruário. Mas a Jambo não foi pra frente. Ela sempre foi autônoma, sempre viveu na incerteza de ter ou não dinheiro no mês que vem. E curtia muito essa maneira de levar a vida.

Grávidas! E agora?

Em 2012 por uma enorme coincidência engravidamos praticamente ao mesmo tempo. José veio em outubro, Joana veio em novembro. E junto com eles vieram muitos questionamentos para as duas: o que vamos fazer da vida? Pra mim era impossível seguir no emprego que exigia viagens longas (eu passava 2 semanas inteiras por mês viajando, para gerenciar a implementação do projeto que era fora do Rio). A Mari não tinha condições de seguir na incerteza financeira. O que faríamos?

Mãe empreendedora!

EMPREENDIMENTO MATERNO foi o que fizemos. A mesma coisa que milhões de mulheres fazem no mundo todo. Começar do zero um negócio que permita flexibilidade de horários, maior contato com as crianças e uma possível e progressiva estabilidade financeira. O Casar é um Barato surgiu da necessidade de duas mães por trabalho e contato com os filhos.

A Mari já tinha algumas coisas que precisávamos. Ela tinha um CNPJ válido que atendia nossas atividades num primeiro momento; um estagiário de programação; uma casa alugada onde ela trabalhava anteriormente. Ela tinha conhecimentos e habilidades de empreendedorismo, de design e de programação. E ela tinha ideias, muitas ideias!

Eu tinha certeza de que precisaria voltar a um emprego CLT. Eu tinha medo de empreender. Mas eu também vi ali uma oportunidade que se abriu de estar mais perto do meu filho e de garantir um contato com ele que seria impossível caso voltasse a um emprego formal. O Zé me deu coragem pra tentar. E a partir daí… eu tinha conhecimentos e habilidades em língua portuguesa, em geração de conteúdo, em gerência de projetos, em atendimento e em vendas.

Pronto. Começamos. Começamos tirando do bolso 600,00 por mês pra pagar o estagiário. A Mari trabalhava da casa que ela já alugava anteriormente, e eu trabalhava da minha própria casa. Nenhuma das duas comprou equipamento algum. Investimos pouquíssimo dinheiro, porém MUITO tempo! A jornada era dupla (ou tripla), pois tínhamos as crianças, tínhamos coisas da casa pra fazer como todo mundo tem, e tínhamos que levantar um negócio do zero, tirando ideias da cabeça e fazendo com que elas se concretizassem.

Estudo

Começamos a estudar: marketing e o universo dos casamentos, totalmente desconhecidos pra nós. Muitas noites viradas, discussões, ideias malucas inviáveis, ideias malucas possíveis, muito café, muito trabalho com criança no colo, muito trabalho e estudo dando de mamar, com criança no sling pendurada no pescoço, com pausa pra dar almoço, trocar cocô, levar na escola. Mas depois, sempre retomando de onde paramos, num ciclo sem fim de ideias, testes, implementação que girou, girou, girou e nos trouxe até aqui – mas seguimos no ciclo.

Hoje, 3 anos depois, temos uma empresa saudável e em crescimento. Temos salário. Temos estagiária e colaboradora. Alteramos o contrato social, para a saída do marido da Mari da sociedade e a minha entrada e para que de verdade todas as nossas atividades estivessem contempladas. Emitimos boletos e notas fiscais e temos uma conta bancária de pessoa jurídica. Pagamos impostos e contador. A Mari encerrou o contrato de aluguel da casa onde ela trabalhava antes e também passou a trabalhar de casa – somos uma equipe de quatro mulheres, 100% home office integrada pela internet. Participamos de eventos de casamento, de empreendedorismo e de marketing.

Se você terminou de ler este texto é porque se identificou. Meu único objetivo aqui é mostrar que você não está sozinha, que existe uma quantidade enorme de mulheres que como você precisa conciliar a vida profissional, doméstica, familiar, materna… tudo num dia de 24h, em semaninhas curtas de apenas 7 dias. Mãe empreendedora,

Continue com sua jornada  mãe empreendedora. Estamos juntas nessa batalha!

Você também é mãe empreendedora? Conta pra gente a sua história.

Se você gostou dessa matéria, pode ser que ache outras coisas interessantes em Mercado de Casamento.